Breve linha de tempo

A câmara escura

 

Um dos primeiros registros da câmara escura pode ser visto no desenho - muito difundido - que ilustra a observação que o astrônomo Gemma Frisius fez do eclipse solar de 1544 a partir de um quarto escuro.​

 

 

 

Gemma Frisius

 

 

 

No século XVII alguns artistas, como o holandês Johannes Vermeer (1632-1675), utilizavam o princípio da câmara escura para ajustar os cenários da pintura.

 

Dois outros exemplos de utilização da câmara escura nas artes são mostrados nas figuras: à esquerda a câmara escura de Athanasius Kircher, de 1646 e à direita, a de Johan Zahn feita em madeira em 1685 (in Michael Busseli).

 

 

 

Camera Escura.jpg

 

 

 

A câmera escura e as imagens pinhole

 

 

Imagens Sol pinholes.jpg

 

 

Na parte de cima da figura vemos imagens pinhole mostrando as manchas solares projetadas na parede de um quarto (câmera obscura), feitas por Ronaldo Giovanelli (1984).

 

À esquerda vemos um disco pequeno gravado no piso em 1472, circundado por um disco maior que registrou o solstício de verão em 1510, no piso do Duomo, em Florença, Itália.

 

À direita se vê a imagem solar cruzando a “noon-mark” no solo da Basílica de São Petrônio, em Bologna, Itália.

 

Outras imagens pinhole sugestivas podem ser vistas nas figuras a seguir:

 

 

 

 

 

 

 

 

Fig. 1 - mostra a sombra do Sol projetada pelo gnômon existente na Catedral de São Pedro, em Roma, Itália (in Eric Renner).

 

Fig. 2 - imagens de eclipse solar projetadas no chão por um chapéu localizado a 1m do solo (1994) – (coleção Pinhole Resource Nancy Spencer).

 

Fig. 3 - imagens de eclipse parcial do Sol obtidas por superposição de uma mão à outra (coleção Pinhole Resource - David Stork).

 

 

A pinhole no espaço

 

 

No século XX, as câmeras pinholes foram usadas por físicos nucleares para fotografar raios gama e raios X de alta energia; nos últimos anos as pinholes têm sido levadas em naves espaciais para  estudar a radiação solar e também para fotografar altas energias em plasmas. 

 

 

    Modelo de pinhole levada ao espaço

e a imagem dos primeiros Raios-X provenientes do Sol, captada em 1960

 

Raio X no espaco

 

 

Ficha técnica:  Altitude: 220 km, Tempo de exposição: 286 min, Diâmetro da pinhole: 0,127 mm, Distância focal: 150 mm (Richard Blake – designer  da pinhole).

 

 

A NASA fundou o projeto New Worlds Imager, cujo propósito é usar uma câmera pinhole com um diâmetro de 10 m e comprimento de foco de 200.000 km para fotografar planetas do tamanho da Terra em outros sistemas estelares.