A revelação

Depois de fotografar, chegou o momento de revelar. A imagem no papel fotográfico é latente e deve ser revelada no laboratório ou em um quarto escuro, iluminado apenas pela lâmpada de segurança, vermelha.


No processo utilizamos três substâncias químicas em sequência: o revelador (R), o interruptor (stop) e o fixador (F). Para cada substância, utilizamos bandejas e pegadores exclusivos. O papel deverá ser sempre manuseado com os pegadores.





O revelador tem a função de reagir quimicamente com os sais de prata constituintes do papel fotográfico. À medida que essa reação vai acontecendo a imagem vai se formando no papel. O banho do papel no líquido revelador deve ser de 2 a 4 minutos.


Passado esse tempo, a reação deve ser interrompida com a utilização do líquido stop, basicamente uma solução de ácido acético e água. Essa operação dura de 30 a 60 segundos, quando a foto deve ser transferida para a bandeja com o fixador.


O fixador tem a função de dissolver os sais de prata do papel fotográfico que não foram sensibilizados, reduzindo-os a sais invisíveis; caso contrário, em contato com a luz, eles reagirão estragando a fotografia. O tempo para fixação é de 4 a 7 minutos dependendo do fixador.


Por fim, a lavagem do papel em água corrente elimina os subprodutos das reações. Essa operação já pode ser feita com iluminação da luz branca. O tempo de lavagem é de 4 a 5 minutos. Depois as fotos devem ser penduradas em um varal para secagem.



                                                            exemplos de negativos                                              




Do negativo ao positivo


O próximo passo é transformar o negativo em positivo. Para isso temos que “fotografar o negativo”, para conseguir que a nova foto fique sensibilizada com cores opostas à do negativo e que as regiões esquerda e direita fiquem invertidas e de acordo com a posição do objeto fotografado.

Observe as fotos:




A transformação da foto em negativo para o positivo é feita por meio de um processo que chamamos de “sanduíche-espelho”, que se dá por contato. Essa ação também deve ser realizada em uma sala escura, seguindo os passos:


1. Com a lâmpada vermelha acesa, colocar um papel fotográfico virgem na bancada, com a face sensível voltada para cima. Por cima dele, colocar o negativo e, por último, uma placa de vidro, que fará com que os papéis fiquem completamente em contato.





2. Apagar a luz vermelha e acender a luz branca, por alguns segundos. Nesse caso é interessante se fazer alguns testes de tempo, pois o tempo de exposição à luz vai influenciar o contraste e a nitidez da foto obtida.



Depois disso é necessário revelar o positivo, processo idêntico ao da revelação do negativo.


Também é possível passar do negativo ao positivo utilizando-se um Scanner e um programa de computador.


Se você utilizar filmes em pinhole sugiro que a revelação seja feita em laboratório especializado porque o processo de revelação de filme acetato utiliza equipamento e processo de revelação diferentes do apresentado acima.


Em São Paulo sugiro o laboratório: